Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Só photos

Fotografias tiradas por mim e "ilustradas" com versos de Fernando Pessoa e seus heterónimos.

Só photos

Fotografias tiradas por mim e "ilustradas" com versos de Fernando Pessoa e seus heterónimos.

22 Out, 2013

Outono

Tenho tanto sentimento Que é frequente persuadir-me De que sou sentimental, Mas reconheço, ao medir-me, Que tudo isso é pensamento, Que não senti afinal. Temos, todos que vivemos, Uma vida que é vivida E outra vida que é pensada, E a única vida que temos É essa que é dividida Entre a verdadeira e a errada. Qual porém é a verdadeira E qual errada, ninguém No (...)
Gato que brincas na rua  Como se fosse na cama,  Invejo a sorte que é tua   Porque nem sorte se chama.  Bom servo das leis fatais  Que regem pedras e gentes,  Que tens instintos gerais  E sentes só o que sentes.  És feliz porque és assim,  Todo o nada que és é teu.  Eu vejo-me e estou sem mim,  Conheço-me e não sou eu.                   (...)
    É um campo verde e vasto,         Sozinho sem saber, De vagos gados pasto,          Sem águas a correr. Só campo, só sossego,         Só solidão calada. Olho-o, e nada nego         E não afirmo nada. Aqui em mim me exalço         No meu fiel torpor. O bem é pouco e falso,         O mal é erro e dor. Agir é não (...)
24 Dez, 2010

Natal de 2010

Chove. É dia de Natal Lá para o Norte é melhor: Há a neve que faz mal, E o frio que ainda é pior.     E toda a gente é contente Porque é dia de o ficar. Chove no Natal presente. Antes isso que nevar. Pois (...)
27 Nov, 2010

Alentejo

   Como um vento na floresta. Minha emoção não tem fim. Nada sou, nada me resta. Não sei quem sou para mim. E como entre os arvoredos Há grandes sons de folhagem, Também agito segredos  No fundo da minha imagem. E o grande ruído do vento Que as folhas cobrem de som Despe-me do pensamento: Sou ninguém, temo ser bom.                                  (...)
24 Out, 2010

Às vezes...

        Às vezes tenho ideias felizes,      Ideias subitamente felizes, em ideias      E nas palavras em que naturalmente se despegam...        Depois de escrever, leio...      Por que escrevi isto?      Onde fui buscar isto?      De onde me veio isto?  Isto é melhor do que eu...      Seremos nós neste mundo apenas canetas com tinta      Com que (...)
22 Out, 2010

A chave da porta

    Se alguém bater um dia à tua porta, Dizendo que é um emissário meu, Não acredites, nem que seja eu; Que o meu vaidoso orgulho não comporta Bater sequer à porta irreal do céu. Mas se, naturalmente, e sem ouvir (...)